Pedra na vesícula: O que é, sintomas, prevenção e tratamento

Pedra na vesícula

A pedra na vesícula, ou cálculo biliar, é um problema bastante comum, que atinge homens e mulheres de todas as idades.

Seus sintomas são bem característicos, e costumam surgir entre 30 e 60 minutos após uma refeição, principalmente se ela for gordurosa.

Entretanto, apesar de comum, ainda existem muitas dúvidas com relação ao problema, o que pode, inclusive, atrasar seu diagnóstico.

O que é a vesícula?

vesicula biliar

A vesícula biliar é um órgão oco em forma de pera, que se localiza logo abaixo do fígado. Sua função é armazenar a bile, uma substância produzida pelo fígado que participa da digestão de gorduras.

Assim, a função da vesícula está intimamente ligada a este outro órgão, e seus sintomas, muitas vezes, são semelhantes àqueles causados por problemas hepáticos.

Quais as causas da pedra na vesícula?

Alguns fatores estão ligados ao desenvolvimento de pedras na vesícula, embora nenhum deles, sozinho, sejam causador exato do problema. São eles:

  • Obesidade e sobrepeso;
  • Sedentarismo;
  • Níveis altos de colesterol LDL, chamado de “colesterol ruim”, juntamente com a redução do colesterol bom, ou HDL;
  • Hipertensão;
  • Tabagismo;
  • Uso de anticoncepcionais, principalmente aqueles a base de estrogênio sintético;
  • Dieta pobre em fibras alimentares e rica em gorduras e carboidratos;
  • Histórico familiar.

Como são formadas as pedras da vesícula?

As pedras se formam na vesícula a partir do acúmulo de substâncias que formam a bile, como:

  • Colesterol;
  • Sais de cálcio;
  • Bilirrubina.

Isso ocorre tanto pelo desequilíbrio na composição do líquido biliar quanto pela lentificação do esvaziamento da vesícula, fazendo com que a bile fique mais tempo parada e comece a precipitar e formar cristais.

Sintomas de pedra na vesícula

Algumas pessoas não apresentam sintomas quando estão com pedra na vesícula. Mas quando eles ocorrem, normalmente incluem:

  • Dor abdominal, no lado direito ou central;
  • Dor nas costas, do lado direito, ou mesmo entre os ombros;
  • Falta de apetite;
  • Náuseas;
  • Vômitos de difícil controle.

Entretanto, esses sintomas são comuns a muitos problemas gástricos, o que pode causar certa confusão e dificultar o diagnóstico precoce.

Além disso, quando há algum tipo de complicação, outros sintomas podem surgir, como:

  • Aumento da intensidade da dor;
  • Cor amarelada dos olhos e da pele, um problema conhecido como icterícia;
  • Urina com coloração escura;
  • Fezes esbranquiçadas;
  • Febre alta, com ou sem calafrios.

Assim, caso apresente algum desses sintomas, procure atendimento médico imediatamente, uma vez que eles podem indicar um possível comprometimento do fígado ou de outros órgãos.

Como é o diagnóstico?

A partir dos sintomas apresentados, o médico, suspeitando de pedra na vesícula, pode solicitar algum exame de imagem como o ultrassom, para avaliar melhor os órgãos abdominais.

Assim, é possível visualizar as pedras e mesmo o órgão inchado devido à inflamação, e fechar o diagnóstico.

Quais os tratamentos para pedra na vesícula?

O tratamento de pedra na vesícula deve ser definido pelo médico, que irá avaliar o quadro clínico, o tamanho das pedras, características da vesícula, como grau de inflamação, e outros fatores que podem trazer risco para a pessoa.

Mas, de forma geral, podemos dividir os tratamentos em dois grupos: Conservador e cirúrgico.

  1. Tratamento conservador

Esse tipo de tratamento envolve o uso de métodos não cirúrgicos, que visam quebrar ou dissolver as pedras formadas na vesícula, embora não sejam indicados para todos os casos.

Um deles é o Ácido Ursodesoxicólico, conhecido pelo nome comercial Ursacol.

Nesse caso, o medicamento contribui para a dissolução de cálculos biliares compostos por colesterol, e é indicado para pacientes com pedras pequenas (menores que 1,5 cm) e que apresentem algum tipo de contraindicação cirúrgica.

Juntamente com o medicamento pode ser ingerido o chá para pedra na vesícula chamado Chá Dente-de-Leão.

Outra opção é a litotripsia extracorpórea, que é o uso de ondas de choque para quebrar a pedra em pedaços menores, que podem então ser eliminadas junto com a bile.

Esse procedimento é semelhante ao usado para tratar pedras nos rins, e normalmente não causa desconfortos durante a sua realização.

Pedra na Vesícula o que comer: (Veja abaixo)

  • Frutas, como maçã, pera, pêssego, abacaxi, melancia, morango, laranja, kiwi, figo, cereja, amora, melão ou framboesa;
  • Vegetais, especialmente cozidos;
  • Aveia e cereais integrais, como arroz, macarrão ou pão integrais;
  • Tubérculos, como batata, inhame, batata doce ou mandioca;
  • Leite e derivados desnatados, dependendo da tolerância de cada pessoa;
  • Bebidas vegetais, como leite de arroz, de amêndoa ou aveia;
  • Carne magra, como frango sem pele, peixes e peru;
  • Água, sucos e doces de fruta.

Pedra na Vesícula é grave?

Se descoberto no inicio pode ser bem o tratamento tende a ser mais simples. Porem em casos mais complexos a simples dor na vesícula pode indicar um problema mais grave como pancreatite aguda.

  1. Tratamento cirúrgico

A cirurgia para retirada da vesícula, chamada de colecistectomia, é indicada para casos de pacientes sintomáticos, com pedras grandes ou que não tenham indicação de tratamento conservador.

Ela pode ser realizada de duas formas:

  • Laparoscopia, onde são feitas pequenas incisões no abdômen. Nesse caso, a recuperação é mais rápida e a pessoa sente menos desconforto no pós operatório;
  • Cirurgia convencional, quando a laparoscopia não é possível. Nessa situação, é feito um corte maior no abdômen, por onde a vesícula é retirada. Além disso, a recuperação é mais lenta e tende a ser mais incômoda.

Assim, independentemente do tipo de cirurgia, a bile passa a ser liberada diretamente no intestino, sem que fique armazenada.

O pós cirúrgico

Do mesmo modo que ocorre com qualquer outra cirurgia, é comum sentir dor e desconforto após a retirada da vesícula. Entretanto, normalmente a dor pode ser controlada com o uso de analgésicos e anti-inflamatórios comuns.

Além disso, alguns cuidados são necessários, como:

  • Dar preferência a alimentos leves e isentos de gorduras, para evitar os sintomas gástricos que ocorrem após a cirurgia;
  • Evitar carregar peso e ficar em repouso por uma a duas semanas;
  • Manter uma dieta líquida ou pastosa nos primeiros dias após a operação, caso seja recomendado por seu médico.

Assim, seguindo essas recomendações, a recuperação será mais tranquila e menos desconfortável.

Formas de prevenção

proibido fumar

Apesar das várias causas para o desenvolvimento de pedras na vesícula, existem algumas medidas para diminuir o risco de sofrer com o problema, como:

  • Fazer exames periódicos para medir o colesterol e, caso necessário, tratar a condição;
  • Não fumar;
  • Evitar ou reduzir o consumo de alimentos gordurosos, como frituras;
  • Manter uma alimentação rica em fibras alimentares, incluindo frutas, legumes e verduras na dieta;
  • Se exercitar regularmente e manter um peso saudável;
  • Fazer acompanhamento médico regular, principalmente se você tem hipertensão ou faz uso de anticoncepcionais.

Possíveis complicações

Além dos sintomas citados mais acima, a pedra na vesícula causa algumas complicações, quando o problema não é tratado corretamente. São elas:

  • Colecistite aguda, que acontece quando a pedra se desloca e acaba obstruindo o ducto cístico, que leva bile do fígado para a vesícula;
  • Coledocolitíase, que, de forma parecida com o caso anterior, ocorre quando há uma obstrução do ducto que leva a bile da vesícula para o intestino;
  • Inflamação das vias biliares, que pode variar de leve a grave;
  • Pancreatite, uma inflamação do pâncreas;
  • Fístulas ou perfurações, que podem atingir o intestino ou outros órgãos.

Por isso, é importante procurar auxílio médico caso apresente sintomas de pedra na vesícula, além de seguir as orientações passadas por ele.